O Porque Deste Blog

Blog dedicado a todos que queiram saber mais sobre Dependência Química, suas causas e consequências.

Entender que o drogado não é um vagabundo, sem vergonha e sim um doente que precisa de ajuda de todos e que o familiar também adoece tanto ou mais que o dependente.

Espero que quem aqui passar leve consigo um a esperança de dias melhores e que possam compreender e buscar saber cada vez mais sobre esta doença.

SIGA NOSSO SITE

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Vida que Segue



Olá pessoal!

Muito tempo que não apareço por aqui. Todos dias lembro que preciso vir aqui partilhar e deixou para depois e quando vejo o depois já é meia noite..
Bom, eu estou bem, a cada dia aprendendo a lidar com a escolha do meu filho. As vezes to mais fortalecida, as vezes fico um pouco triste mais consigo entender que cada um tem as suas escolhas, que cada pessoa tem o seu tempo e por mais que eu faça, se o outro não quiser mudar, se ainda não for tempo dele de nada adiantará.

Minha vida está bem corrida e eu estou gostando. Estou me dedicando bastante a casa espírita que faço parte e ao Movimento Espírita com certeza isso me fortalece muito.
O meu trabalho é bem tranquilo graças a Deus.
Na minha casa com minha filha e neta está tudo ótimo. Muito bom ter um bebê em casa, nos enche de alegria.

Sigo lendo bastante sobre dependência química,  co dependência e com os grupos no whats que sempre me ajudam muito.
Meu ebook segue na revisão ortográfica. Não vejo a hora de estar com ele prontinho para vocês (espero poder ajudar os leitores).

Encontrei meu filho mes passado (não o via desde outubro/2016). Não foi um encontro fácil, fiquei muito abalada, ele está muito diferente fisicamente e estava bem irritado. Ele e a namorada brigam muito, isso me deixou espantada pois ele nunca gostou de discussão. Ele está com olhar bem distante, abatido. realmente fiquei bem mal, chorei bastante porque vi uma pessoa que eu desconhecia.
Tentei conversar com ele, relembrar ele de como era, do que gostava e não gostava. Falei da importância dele mudar de vida para ser um bom exemplo para o filho que está chegando. Conversa difícil pois como eu estava abalada não contive as lágrimas.Mas falei,acredito que alguma coisa ficou guardada com ele.
Fico me perguntando, quando será o despertar dele? Quando ele vai pedir ajuda.

Outro dia conversando com ele por telefone ele me disse assim:  eu não sei porque não peço ajuda".Fiquei calada, sem ter uma resposta imediata para ele. Quando ele desligou não contive as lágrimas e percebi o quanto é difícil para ele e consegui ver um ponto positivo: pelo menos ele me falou uma dificuldade dele e isso é um grande passo. percebo apesar de tudo uma pequena melhora. 
E torço muito para que o despertar dele não demore.

Agora que ele está com celular novamente, nos falamos quase todos os dias, noto que ele se preocupa com a gente, sempre querendo saber como estamos e ao mesmo tempo sempre fazendo planos.
Eu só peço a Deus que quando o filhinho dele nascer ele consiga ter um despertar. Não coloco todas as minhas fichas nisso, não crio expectativas mas mantenho a esperança.

E assim vamos seguindo a vida, vivendo-a um dia de cada vez sempre acreditando em dias melhores.

Beijo no coração de vocês!

segunda-feira, 27 de março de 2017

Notícias do meu adicto



Oi pessoal!!
Hoje vou falar de mim e do meu adicto.
Não o via desde outubro/2016. Eu até estive na cidade que ele mora mais ele me evitou.
Estávamos nos falando muito pouco até então pois ele "precisou" vender o celular, já faz alguns bons meses que isso aconteceu.
Obvio que eu sei que em todo este período ele não está bem, porém sempre tá tudo bem.
Quinta-feira, dia 23/03 estive com ele. Meu Deus!!! Que susto! Fiquei meio que sem reação, não o reconheci de tão magro e com olheiras e o que mais me chamou a atenção foi a irritação dele, coisa que ele não era e que não gostava quando estávamos irritados ou discutindo em casa.
Conversar com ele é o  mesmo que entrar num ouvido e sair no outro  mais eu não sei ficar quieta. Falei o que eu penso, o que eu sei mais ele sempre tem uma desculpa pra tudo.
Como é dificil caramba!!! Não temos como ficar indiferente, não tem como sair de perto da pessoa e seguir normalmente, apesar de tudo que eu já sei, fica vários questionamentos, várias interrogações, várias perguntas sem respostas...

Mais o que eu quero com este post é falar dos meus sentimentos, como é difícil, como é dolorido ver quem amamos descendo ladeira abaixo. 
Porém eu já aprendi que não adianta eu querer algo e ele não.  A recuperação tem que partir dele e não de mim, mesmo que isso me deixei triste, pensativa, sei que a  vida que ele leva hoje é a vida que ele quer ter para poder usar, pois ele tem facilidades que comigo não teria. Com tudo que já sei, eu consigo ver que ainda ele prefere ficar nas drogas.

O que eu posso e devo fazer é cuidar de mim e me fortalecer. Obviamente que ficamos mal, eu chorei bastante, pois não é o que esperávamos porém eu sei com toda a certeza que nada absolutamente nada acontece sem a permissão de Deus.
Apesar de tudo em já consigo ver um lado bom de tudo isso, eu estou crescendo evoluindo e não fico mais desesperada, não fico mais enlouquecida. 

Eu já consigo desligar o telefone chorar bem pouco e pedir que Deus o proteja e seguir fazendo o que eu estava fazendo. Tudo isso eu devo aos grupos de ajuda ao Amor Exigente, a todas as leituras que já fiz e acima de tudo a minha fé, sem a minha fé nada seria possível, ela me move e me mostra sempre a luz no fim do túnel, ela me que diz que a dor vem para nosso crescimento e que Deus não nos desampara em nenhum momento.
E você que está lendo este post não perca a esperança, eu sei que não é fácil, que é dolorido, sofrido, mais acredite em dias melhores, busque entender, busque ajuda, tenha fé.
Era isso pessoal, por enquanto, seguirei aqui vivendo um dia de cada vez, as vezes com mais saudades outras não mais superando e acreditando que a hora dele vai chegar!



terça-feira, 21 de março de 2017

Desligamento Emocional Com Amor


Por que é tão difícil? Como se desligar de quem se ama?
Aprendemos a Ser e Estar completamente ligados e dependentes de nossos afetos; aprendemos que somos apenas um pedaço, uma parte, sem brilho próprio, dentro das relações (os outros nos completariam, nos nutririam de valor e amor, iluminariam e dariam significado às nossas vidas); aprendemos a desempenhar nossos papéis sempre atentos para atender às expectativas das pessoas de maior ou menor importância em nossas vidas; aprendemos que tínhamos o poder e, mais ainda, o dever de modificá-los, salvá-los, fazê-los felizes. 
Tivemos tanto medo de fracassar, de não sermos merecedores do amor e valor que buscávamos que vivemos uma luta inacabável pela posse e controle daqueles que amávamos. Luta onde, por amor,vale tudo: mentir, invadir,deixar-se invadir, controlar, conceder demais, cobrar sempre, não perder jamais... 
Aprendemos a amar assim: misturados, plugados, ligados todo o tempo naqueles que amamos. 
O que mais nos causa confusão e dor é constatar que quanto mais nos esforçamos para continuarmos ligados mais nos afastamos, desencontramos, caminhamos para o abandono, para o desligamento Sem Amor ou, às vezes, para a busca de novos amores – para começar tudo de novo; quanto mais falamos, orientamos, cobramos, discutimos – menos nos ouvem; quanto mais manipulamos (“para seu próprio bem”), menos confiam em nós e mentem, em contrapartida. 
E nos perguntamos: Somos fracassados, incompetentes? Serão os outros ingratos, cegos, surdos, desamorosos? Quanta dor! Porisso que “Amar é Sofrer” !
Hoje podemos aprender um novo modo de Ser e Estar nas relações, um novo modo de acreditar e viver o amor. Posso aprender que Faço Parte, mas não sou uma parte, um pedaço de Família, Escola, Igreja, País, Empresas, etc. Preciso aprender que fazer parte é manter laços afetivos que nos ligam com respeito amoroso, mas não nos aprisionam ou sufocam nem nos tornam carcereiros uns dos outros em nome do amor. 
Estou entendendo que sou único e inteiro, tenho significado e valor próprio porisso ninguém me completa nem completo quem quer que seja. Não tenho poder de modificar pessoas, por mais que as ame. 
A responsabilidade por suas vidas pertence a elas e a um Poder Maior. “Aos outros, só posso amar!” Não sou incompetente, apenas sou impotente! Quero aprender a ser parceiro: ouvir e me revelar com honestidade( sem culpar) ; quero poder acreditar que os outros também aprenderão a usar seu próprio poder. 
Quero usar meu poder individual para me responsabilizar por minhas crenças, pensamentos, sentimentos, meus atos, minha vida, minha felicidade. Tudo isso é o aprendizado do Desligamento por Amor (a mim e aos outros) e do Desligamento com Amor - para caminharmos juntos, livres, felizes.
Desligamento com Amor é Viver e Deixar Viver!

domingo, 26 de fevereiro de 2017

Falando Sobre Recaída - Sinais e Avisos de Recaída


Eu aprendi na CT e nos grupos de Amor Exigente que a recaída não acontece de uma hora para outra, ela é um processo. 
Vamos ver neste post as fases e sinais da recaída.

1ª Fase -  Sinais de aviso de recaída internos
- Aumento do estresse
- Mudança de pensamentos
- Mudança de sentimentos
- Mudança de comportamento
2ª Fase- Volta da Negação
- Preocupação sobre bem estar
- Negação da preocupação
3ª Fase- Impedimento e comportamento defensivo
- Acreditar que " eu nunca mais vou usar"
- Trabalhar com o programa dos outros
- Ficar na defensiva
- Comportamento compulsivo
- Comportamento impulsivo
4ª Fase- Construindo a Crise
- Visão de túnel
- Depressão secundária (leve)
- Deixar de planejar construtivamente
- Planos começam a falhar
- Tendência a solidão
5ª Fase- Imobilização(incapacidade de iniciar ações)
- Devaneios e ilusões
- Sentimentos de que nada tem solução
- Desejo imaturo de ser feliz
6ª Fase- Confusão e reações exageradas
- Dificuldade de pensar com clareza
- Dificuldade de lidar com sentimentos e emoções
- Dificuldade em lembrar coisas
- Períodos de confusão
- Dificuldade em lidar com o estresse
- Irritação com os amigos
- Irrita-se com facilidade
7ª Fase- Depressão forte e persistente
- Hábitos alimentares regulares
- Incapacidade de tomar iniciativa
- Dificuldade para dormir tranquilamente
- Perda da rotina diária
- Período de profunda depressão
8ª Fase- Perda de controle de comportamento
- Participação irregular nas reuniões de tratamento e em grupos
- Desenvolve uma atitude de "não tenho nada com isto"
- Rejeição aberta de ajuda
- Falta de satisfação com a vida
- Sentimento de impotência e desesperança
9ª Fase- Reconhecimento da perda de controle
- Dificuldades com a coordenação física e com acidentes
- Sentimento de auto piedade
- Pensamentos de beber/usar socialmente
- Mentiras de forma consciente
- Perda completa de autoconfiança
10ª Fase- Redução de opções
- Ressentimentos de forma irracional
- Para todo o tratamento e os grupos
- Esmagadora solidão, frustração, raiva e tensão
- Perda de controle e comportamento
11ª Fase- Volta do uso ou colapso físico/emocional
- Volta ao uso "controlado"
- Desapontamento, vergonha e culpa
- Perda total de controle
- Problemas de vida de de saúde

Fonte: Staying Sober (A Guide For Relapse Prevention
Organizador Cristian Fernandes





sábado, 25 de fevereiro de 2017

Características do Codependente


Eu sempre falo nos meus post que devemos cuidar de nós da nossa Codependência e hoje resolvi colocar aqui algumas características do Codependente para que quem estiver lendo possa analisar e refletir sobre a sua postura.


Tomar Conta
O codependente pode:
- Considerar-se e sentir-se responsável por outra (s) pessoas (s) - pelos sentimentos, pensamentos, ações, escolhas, desejos, necessidades, bem-estar, falta de bem-estar e até pelo destino dessa(s) pessoa(s)
- Sentir ansiedade pena e culpa quando a outra pessoa tem um problema
- Sentir-se compelido - quase forçado - a ajudar aquela pessoa a resolver o problema, seja dando conselhos que não foram pedidos, oferecendo uma série de sugestões ou equilibrando emoções
- Ter raiva quando sua ajuda não é eficiente
- Antecipar as necessidades da outra pessoa
- Imaginar por que os outros não fazem o mesmo por ele
- Dizer sim quando quer dizer não, fazer coisas que realmente não quer fazer, fazer mais do que sua quota justa de trabalho e fazer coisas que a outra pessoa é capaz de fazer por si
- Tentar agradar os outros e não a si mesmo
- Ficar triste porque passa a vida se dando a outras pessoas e ninguém lhe dá nada
- Sentir aborrecido, vazio e sem sentido se não tiver alguma crise em sua vida, um problema para resolver ou alguém para ajudar
- Culpar outras pessoas pela situação em que ele mesmo está.

Baixa Auto-Estima
O codependente tende:
- Vir de família problemática, reprimida, anormal
- Negar que sua família seja problemática
- Culpar a si mesmo por tudo
- Implicar consigo mesmo por tudo, inclusive sua maneira de pensar, sentir, agir e comportar-se
- Ficar zangado, defensivo, exigente e indignado quando outros culpam e criticam os codependentes
 - Rejeitar elogios
- Sentir-se diferente do resto do mundo
- Achar que não é bom o bastante
 - Sentir-se vítima
 - Dizer a si mesmo que não consegue fazer nada certo
 - Sentir-se envergonhado de quem é  
- Achar que sua vida não vale a pena
- Achar que as coisas boas nunca lhe acontecerão
- Achar que não merece coisas boas e felicidade

Repressão
Muitos codependentes:
- Empurram seus pensamentos e suas emoções para fora de sua consciência porque têmmedo e culpa
- Têm medo de se permitirem ser quem são
- Parecem rígidos acontecendo e controlados

Negação
O codependente tende a:
 - Ignorar ou fingir que os problemas não estão acontecendo
- Fingir que as situações não são tão más como realmente são
- Dizer  a si mesmo que amanhã as coisas melhorarão
- Ocupar-se para não pensar sobre as coisas
- Ficar confuso
- Ficar deprimido ou doente
- Ir a médicos ou tomar tranquilizantes
- Tornar-se viciado em trabalho
- Gastar dinheiro compulsivamente
- Comer demais
- Fingir que essas coisas tampouco estão acontecendo
- Ver os problemas piorarem
- Acreditar em mentiras
- Mentir para si mesmo
- Imaginar por que se sente como se estivesse enlouquecendo

Essas são algumas das características, no livro Codependencia Nunca Mais, tem mais caracterísitcas todas bem detalhadas. Eu super indico este livro para leitura e estudo para que possamos tratar a codependencia.
Aqui no blog tem para dowload -  clique aqui e baixe o livro


sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Minha história com a CT Senhor Jesus


13 de Abril de 2013, um sábado, final de tarde e eu tive que entrar em contato com pessoas que eu não conhecia e nem imagina que iria conhecer para saber sobre internação em Comunidade Terapêutica. Na verdade eu nem fazia idéia o que era uma Comunidade Terapêutica. Primeiramente, achei muito estranho eu receber as informações via facebook mais tudo bem, eu precisa era saber as coisas para poder resolver. Fui muito bem atendida e esclarecida, corri para ir atrás do que seria necessário para a internação do meu filho, eles se colocaram a disposição caso fosse necessário eles virem busca-lo.
E no domingo, dia 14 lá fomos nós para uma cidade desconhecida e um lugar que eu não fazia idéia de como era e o que me esperava, mais eu tinha que ir.
Ao chegar na cidade ficamos assustados pois não estávamos acostumados com cidade de interior, nunca tínhamos ido para uma cidade de interior. 
No trajeto da cidade para a CT ficamos mais assustados ainda pois era muito distante, muita vegetação e nós super urbanos não tinhamos contato com isso.
Depois de 1h40min chegamos na Comunidade Terapêutica Senhor Jesus. Acolhimento maravilhoso, nossas dúvidas foram todas esclarecidas, mais mesmo assim ainda estávamos muito assustados, era um mix de sentimentos pois não fazia muitas horas que estávamos sabendo de tanta informação de algo que parecia tão distante para nós. Foi neste dia que ouvi pela primeira vez meu filho falar que usava cocaína. Lembro como se fosse hoje que a minha dor foi enorme, vontade imensa de chorar mais eu não podia. Eu tinha que me manter forte para resolver o que era preciso.

Tudo esclarecido, fomo então conhecer a CT, sinceramente, fiquei muito assustada com local, pois bem ou mal, nós tínhamos colções grossos e bons, nossa casa sempre foi muito simples, mais cada um, por exemplo, tinha a sua televisão. Lá não existe guarda roupa (outra coisa que me assustou) e que hoje eu entendo super bem, mas, na hora pensei, caramba vão roubas as coisas dele.
Tudo era muito, mais simples do que a nossa simples casa. A TV era coletiva, os colções era finos, eles não usavam edredon e sim cobertores, os lençõis eram muito velhinho e as guloseimas que sempre foi tão frequente em nossa casa, a qualquer hora, lá não era permitido.  Toda essa mudança não tinha como não assustar, mais era necessário (fui aprendendo e entendo aos poucos).
Eu fui me integrando com os coordenadores até porque eu ligava sempre (coitados) tudo eu queria saber e principalmente queria saber dele e sempre fui muito bem atendida.

Em Maio tivemos a primeira visita, outra novidade em nossas vidas, pois almoçávamos todos juntos, mesas separadas mais ao mesmo tempo bem próximas. Eu não entendia porque tinha algumas pessoas tão diferentes e novamente o tempo, o estudo, o contato com os coordenadores eu fui entendendo que esta diferença se fazia por diversos fatores (tipo de droga, tempo de uso, etc).
As visitas eram mensais e eu comecei a amar este local, apesar dele estar lá tão distante de nós e de ser um local onde só há doentes, aquele local me dava paz, me trazia esperanças.
 Eu adorava ficar sentada olhando para o laguinho, quanta coisa  passava pela minha cabeça, quanta esperança....
Comecei, com o tempo a interagir com as famílias e foi maravilhoso mais uma forma de aprender e crescer. Conheci pessoas que hoje levo para a vida todo, amigos que jamais pensei que conheceria.
O pessoal da CT virou uma família para mim, aprendi a confiar muito neles e ficar muito tranquila pois sabia que meu filho estava bem. Ajudei o máximo que pude, busquei doações, ajudei em busca de recursos para eles.
Cada palavra que eu ouvia dos coordenadores e monitores eu levava em minha mente e refletia muito sobre elas, pois todas elas eram para a eficácia do tratamento do meu filho(obviamente que dependendia muito do querer dele). Cada partilha que eu ouvia dos residentes, era um conforto e estímulo para mim, eles me mostravam que sim, havia uma luz no fim do túnel.
O tempo passou, ele fez seu tratamento de 09 meses e não perdemos o contato com a CT, ainda segui ajudando dentro do que eu podia. Sempre falo muito bem deste local e das pessoas pois eu vi com meus próprios olhos a dedicação que eles tem pela CT e seus residentes. Ele fez um outro tratamento neste mesmo local e me chamou muito a atenção que mesmo ele sendo conhecido, mesmo ele já ter tido a opotunidade de ser monitor desta CT o tratamento não foi diferente, eu achei muito bom e importante, pois se ele estava doente ele tinha que ser tratado como os demais doentes que lá estavam. Mais uma vez, parabéns para a equipe da CT.

Hoje eu vejo o crescimento da CTe me alegra muito ver as melhorias e mesmo sendo estranho a casa estando cheia como se fala, é muito bom pois é sinal de que as pessoas estão buscando se tratar.
Porque deste post, alguns podem estar se perguntando. É por alguns motivos.
01) É uma forma de agradecimento a todos os envolvidos neste belíssimo projeto;
02) Agradecimento porque esta casa me ajudou a crescer como ser humano e a ver o mundo com outros olhos;
03) Hoje eu não tenho mais condições financeiras de ajuda-los, nem tenho como financeiramente também, ir a Tapes 01 domingo no mês (que é dia de visita) visitar eles e ajudar na cozinha como fiz algumas vezes;
04) Uma forma de divulgar este trabalho e esta casa pois vemos quase que diariamente famílias reclamando dos locais onde os seus entes estão internados;
05) Serve de alerta para que as pessoas busquem saber onde estão colocando os seus familiares. É preciso conversar muito, observar muito;
06) Alerta também para que as pessoas busquem se relacionar com as demais famílias e ter um bom relacionamento com os coordenadores e monitores, afinal são eles que passam a maior parte do tempo com os nossos familiares.

Deixo aqui meu agradecimento a equipe da CT Senhor Jesus e sigo torcendo para o crescimento deste local abençoado

Contatos com Jeferson: 51 99997.1042
Localização: Estrada da Saravana, s/nº Tapes/RS
Conheçam o local: https://www.facebook.com/pg/ctsenhorjesus/photos/?tab=album&album_id=438067036292845




quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Cuidado com a Codependência


Estou estudando o livro Codependência Nunca Mais e resolvi fazer este post para que possamos no analisar e nos avaliar para que possamos ter o cuidado para não nos afundarmos na nossa doença.

"Os Codependentes, não são mais loucos ou mais doentes do que os alcoólicos. Mas sofrem tanto quanto eles, ou mais ainda. Eles não saem por aí em agonia, mas passam pelo mesmo sofrimento sem os efeitos anestesiantes do álcool, de outras drogas, ou de outros estados alterados das pessoas com distúrbios compulsivos. E a dor causada por amar alguém com problemas pode ser profunda."


Eu sempre falo aqui e para as pessoas que nós codependentes somos muito mais doentes que ps dependentes,  digo mais, porque eles usam as substâncias que anestesiam por alguns instantes suas dores e anseios e nós? Nós sofremos de cara limpa e por isso tanto sofrimento.
Sempre falo e sempre ouvimos falar que temos que mudar isso, que é possível, basta darmos o primeiro passo. Fato!! Muito real! Não é nada fácil, mais conseguimos, porém somente esta vontade, este querer não são necessários.

Temos que mantermo-nos sempre em recuperação (sei que alguns poderão achar exagero) mais é a pura realidade. Se não tivermos atentos diariamente, se não tivermos buscando o nosso tratamento, quando nos dermos conta vamos novamente estar recaídos.
E é muito fácil recair, pois  que mais queremos e ver nosso familiar com uma nova vida e não medimos esforços para isso e aí que entra o perigo pois na ânsia de ajudar muitas das vezes colocamos os pés pelas mãos e terminamos facilitando ou sendo manipulados por eles.

Mais Neusinha, então eu devo ficar de braços cruzados esperando a melhora do meu especial? Nada disso! Temos que ajudar sempre! Porém sempre que possível e dentro de nossas possibilidades. Importantíssimos ter os dois pés no chão quando se trata de nosso especial, sabe o ditado confiar desconfiando? É bem por aí. 

Cuidar com os pedidos deles para uma melhor vida, com a forma como estão levando a sua recuperação. Não ter "pena" caso ele chegue em casa e diga "estou cansado não vou na reunião hoje". "Não me cobre muito as coisas" "Amanhã eu faço".
Não tema pena, não fique constrangido de cobrar alguma coisa de impor regras e limites. Quando agimos conforme eles querem, ou deixamos as coisas acontecerem para não nos incomodar não estamos em recuperação e a codependencia está gritando dentro de nós.



Tome cuidado, analise profundamente e diariamente suas atitudes e sentimento pois a codependencia precisa diariamente de tratamento e cuidados e é muito fácil nos deixar levar por ela e pelos pedidos e manipulações de nossos amados dependentes.

Eu indico a todos que busquem saber mais sobre a codependencia vale muito a pena, pois assim viveremos melhor e poderemos ajudar melhor nossos especiais.
Busque ajuda de grupos de apoio, se necessário busque um médico especialista mais não se deixe levar. 
Você verá que uma nova pessoa, mais forte, mais segura surgirá. Vale muito a pena!

LIVROS PARA DOWLOAD: https://adependenciaquimica.blogspot.com.br/p/dowload-e-books.html

Um grande beijo a todos!



terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Permitindo-me Viver

Olá pessoal!
Cá estou eu, desta vez para falar de mim, da minha recuperação, que hoje em dia mais do que nunca sei que é primordial e deve ser a atividade número 1 da minha vida!

Estou cheia de atividades, até analisei se não estou fazendo tantas coisas para fugir de mim mesmo. Cheguei a conclusão que não (ainda acho que não, mais sigo analisando).
O que acontece, quando eu me coloquei em primeiro lugar, eu vi que eu não fazia as coisas que eu gostava e as poucas que eu fazia não estava entregue 100% e pra mim era a mesma coisa que nada.
E aí entra tudo que aprendi com as meus estudos, as partilhas e o Amor Exigente. As coisas só dão certo quando estamos verdadeiramente entregues e saudáveis.
Resolvi então mudar isso. Sim! Sou a única pessoa que posso fazer isso.
Uma das coisas que me satisfaz muito são as atividades da Casa Espírita. Decidi então me entregar mais e novas oportunidades foram surgindo que me deixaram bem feliz e acima de tudo irão auxiliar muito na minha reforma íntima, no meu crescimento.
Este ano pra mim será um ano de agenda lotada, pois além das atividades da Casa Espírita estarei mais inserida no movimento espírita e isso requer mais doação, mais dias com atividades.
Também estou participando de um projeto que auxilia imigrantes haitianos e senegaleses.
Juntamente com tudo isso, estou realizando um sonho, botando em prática a edição do meu 1º ebook que espero até final ano estar prontinho para vocês.
Sigo com minhas literaturas sobre dependência e codependencia, com os grupos no wats que me ajudam demais e o blog.
Ainda tenho a minha família, minha filha e minha netinha que está cada dia mais sapeca e esperta e meus amigos.

Alguém poderá perguntar mais quando ela vive? Vivo diariamente e intensamente minha vida, ainda com tudo isso eu consigo sentar e conversar com os amigos, consigo ficar em casa e sentar no sofá olhar televisão e conversar.
Como eu consigo? Disciplina com certeza mais acima de tudo,ajustei minha agenda para as atividades, vontade de querer estar bem. Ter sempre esta sensação gostosa que tenho de estar fazendo algo que eu gosto, de estar entregue de verdade.

Então vocês poderão perguntar mais e o teu familiar adicto? Vai largar de mão? NUNCA! Muito pelo contrário! Estou sempre a disposição dele para ajudar quando ele precisar, porém mais do que nunca hoje eu sei que não adianta abrir mão de mim, das minhas coisas para que ele se mantenha em recuperação. Isso só irá acontecer quando ele realmente quiser, o que eu posso e devo fazer estou fazendo: seguindo a vida, me fortalecendo, amadurecendo, vivendo a vida, estando bem para poder ter atitudes assertiva com ele e com a minha família. Meu filho sabe que pode contar comigo, quando ele precisar, ele sabe onde buscar ajuda, ele conhece o caminho e é preciso que ele caminhe com as próprias pernas para aprender, para amadurecer. Sei que sempre queremos saber se nosso adicto está limpo ou não. Não posso dizer que sim, nem que não. As vezes acho que sim, outras acho que não, mais são escolhas que fazemos. Obvio que estou atenta e se precisar interferir, farei isso, só que o mais importante para mim hoje é viver a minha recuperação. 

Não é nada fácil para uma codependente não ter o controle da situação do seu adicto mais é necessário caso contrário eu já estava louca e sem minha filha e amigos por perto e longe da minha religião pois a doença estaria gritando dentro de mim e eu cada vez mais afundada querendo a todo custo que ele se mante-se longe das drogas.

Só por hoje, decidi viver assim e assim espero seguir para meu bem estar, para que eu possa ter uma qualidade de vida.

Beijos a todos!

domingo, 19 de fevereiro de 2017

Desligamento Emocional

Esta é, para mim, umas das ferramentas mais importantes e a que foi mais difícil de entender e aplicar em minha vida.
Desligar-me emocionalmente do meu familiar adicto é me despir de todos os meus preconceitos e pré-conceitos que fui anexando ao meu modo de pensar e de viver e que foram se enraizando dentro de mim. Desligar-me é me permitir ter limites, é permitir ter liberdade, direitos, ser feliz, pois agora tenho opções, escolhas e não só obrigações. É compreender, é ter compaixão, é saber que a minha felicidade não depende de terceiros, do bem- estar do adicto, do patrão, do vizinho. Minha felicidade está sob o meu controle, em minhas mãos.
Quando me desligo emocionalmente de meu familiar adicto coloco o seu problema como sendo somente dele e permito analisar as minhas atitudes de forma mais clara, racional e pura. Desligando-me do meu emocional passo a praticar em minha vida o Lema Pense.
Agora foco meu familiar com um olhar que me permite ver tudo que está a minha volta com uma nova concepção, um novo horizonte. Vejo-o como portador de uma doença e não mais como um pobre coitado ou um ser cheio de falhas de caráter, desonesto, imoral, amoral. Com o Desligamento Emocional, sentimentos negativos como raiva, frustrações, autopiedade e controle desapareceram e ficou em mim a certeza de que não sou mais responsável pelos atos do adicto, que não tenho culpa por sua doença, que não tenho o poder de curar sua insanidade e que preciso me preocupar com a minha sanidade e buscar minha recuperação, para que eu possa saber julgar se minhas atitudes são de facilitação ou de manipulação minha ou dele.
Começo a dar para mim oportunidades para minha recuperação e que o outro tenha a chance de procurar a dele, pois permito que o outro dirija a sua própria vida, que seja responsável por seus atos arcando com as consequências deles. Ao me desligar emocionalmente alcanço a Serenidade, Coragem e Sabedoria. Desligar-me é conseguir o verdadeiro Amor por mim mesmo e pelo outro. Desligar-me é encontrar a liberdade. Desligar-me é exercer o amor verdadeiro, o amor incondicional, não impondo condições.  Desligar-me emocionalmente do adicto não é deixar de se importar com ele, não é deixar de amá-lo nem ser cruel.
Hoje pratico o Lema Viva e deixe viver, dando ao outro a liberdade de escolha e de assumir seu lugar no mundo, aprendendo com os erros e fortalecendo-se com os acertos.
Desligar-me do adicto é vê-lo como um ser humano com qualidades e falhas assim como eu. Desligar-me é desatar os nós e me desprender, é soltar minhas asas para que junto com o outro, se ele quiser, aprendamos a voar.
Enviado para o site em 01.02.16 
Fonte: http://www.naranon.org.br

É eu Neusinha, posso dizer que sim é possível, aos poucos eu fui entendendo e me esforçando para isso. Hoje eu consigo seguir a minha vida, fazer as minhas coisas desligada do meu adicto. Consigo conversar com as pessoas sem o meu filho ser o tema principal. Consigo buscar a minha recuperação independente da dele.

sábado, 18 de fevereiro de 2017

Voltar a viver


A dependência química entrou na minha família,  não sei como...  e  nem por onde ela passou.
Se eu deixei uma porta aberta ou se foi uma janela, e como ela entrou já não importa mais.
O fato é que entrou, e como um furacão, tirou tudo do lugar, arrasou, destruiu e desorganizou tudo o que encontrou pela frente.
A dependência química mudou,  tanta  coisa na minha casa e em mim,  que as vezes penso que esse furacão levou junto também meu coração.
Me  perdi  de mim,  esqueci  completamente quem eu sou,  esqueci que sou gente e que tenho limites,  não consigo  e nem devo controlar tudo, e nem a  todos.
Esqueci que tenho amigos, e  que tenho outros familiares que precisam do meu olhar da minha alegria.
Esqueci como é sorrir...  esqueci  de amar....  de  me amar.
Esqueci como é ser feliz.
Mas esse furacão não levou minha fé,  essa ficou mais forte e dentro de mim voltou a brotar a esperança.
Que lembrou  me   que sou apenas gente,  e eu  decidi entregar todas as minhas dores ao meu poder superior,  eu pedi a ele  forças,  para  encontrar um caminho.
Para recomeçar... e novamente esperançar, a esperança com ação,  decisão e com atitudes.
E encontrei  esse  caminho.
 E Que delicia é...  voltar  a tomar aquele cafezinho,  no final da tarde com as amigas.
E dar aquela risada alta, como  senti falta de sorrir simplesmente.
Voltei a me dar atenção, voltei a me afagar com carinho, voltei a olhar para mim e descobri que tenho muita coisa ainda  para aprender, e outras tantas que preciso melhorar.
Tudo bem sou  só gente,  e gente de muito valor, mas eu preciso me autorizar a estar  cada vez melhor.
E a dependência química, eu descobri que existe um caminho, que se chama RECUPERAÇÃO.
E comigo nesse caminho está  Deus,  aliviando meu cansaço e me refazendo a cada novo dia.


Texto autora:  Roberta Lima   Grupo Amor Exigente St° Antônio de Lisboa Tatuapé SP. ANO / 2017.